DATA DE PUBLICAÇÃO
23/04/2021

COMPARTILHE:

Obter a dupla cidadania na pandemia é um bom investimento?

A pandemia provocou diversas mudanças no mundo todo, principalmente para quem esperava obter a dupla cidadania e mudar de vida. E a pergunta que não quer calar: será que obter a cidadania europeia na pandemia é um bom investimento? Vem saber mais!

Com o início da pandemia provocada pelo novo coronavírus, precisamos fazer diversas adaptações em nossas vidas, enquanto outras tiveram que ser adiadas ou até mesmo canceladas. 

Dentre quem precisou recalcular a rota da vida estão as pessoas que esperavam obter a dupla cidadania, para assim mudar de vida. Entretanto, após algumas adequações dos países mais procurados, será que obter a dupla cidadania na pandemia é um bom investimento?

Particularmente, nós acreditamos que a cidadania na pandemia é um bom investimento sim, uma vez que você poderá ter os mesmos direitos anteriores, tais como a transmissão para gerações futuras, facilidade para trabalhar, tornar-se um estudante, ter o privilégio de fixar residência e a entrada facilitada para turismo nos países da Comunidade Europeia e EUA e o principal que é residir em um país com estabilidade socioeconômica.

Além disso, a cidadania na pandemia é um bom investimento, uma vez que em épocas como essa, cada país gerencia a crise de forma diferente. Assim sendo, você terá mobilidade global e a oportunidade de estar em um local que se recupere de forma rápida, com fundações econômico-sociais sólidas e que forneçam segurança econômica. 

Segundo a supervisora comercial da AQUILA Consultoria Migratória, Flávia Mota, a procura de pessoas interessadas em obter a cidadania europeia no ano de 2020 teve um aumento cinco vezes maior, se comparado a 2019 . Dentre os principais motivos apontados pelos interessados em conseguir a dupla nacionalidade está o fato de aproveitar este momento para agilizar o processo e principalmente pelas incertezas quanto a economia e mercado de trabalho brasileiro quando tudo passar.  

Ainda segundo levantamentos, entre as pessoas que procuraram investir na dupla cidadania durante a pandemia encontram-se homens e mulheres de 19 a 60 anos, sendo tanto casais, como jovens recém-formados e ainda aqueles que desejam melhorar a qualidade de vida.

Assim sendo, quem não deseja migrar para um local com melhores condições quando seu país se encontra em crise econômica e em um cenário instável? É por isso que abaixo você vai ver se a cidadania na pandemia é um bom investimento em alguns países que separamos. 

Para descendentes de italianos, a cidadania na pandemia é um bom investimento 

No país da bota, por exemplo, o tribunal de Roma permaneceu fechado durante o pico da pandemia e, com isso, diversas ações judiciais para o reconhecimento da dupla cidadania tiveram que ser remarcadas. 

Após algumas adaptações recentes, o tribunal foi reaberto e os brasileiros já podem iniciar o processo de cidadania italiana pela via judicial. Desde setembro, as sessões acontecem de uma nova forma, os juízes passaram a realizar sessões virtuais. 

Como qualquer ação judicial, o processo estará baseado nos documentos apresentados pelo requerente, então para iniciar o processo pela via judicial, o requerente deve juntar o máximo de documentos, tais como certidões de nascimento, casamento, óbito etc., do parente italiano. Dessa forma, o juiz competente poderá deferir ou indeferir o pedido. Se deferido, será necessário esperar de três a quatro meses para que a comune transcreva a decisão homologando o requerente como cidadão italiano. Ao todo, da ação judicial ao documento em mãos, leva em média de 21 a 24 meses.

Sem falar que você sempre pode contar com a nossa ajuda quando o assunto é consultoria migratória e todos os passos necessários para conquistar a cidadania italiana!
  

Cidadania por investimento, uma alternativa

A cidadania na pandemia é um bom investimento também para pessoas com poder aquisitivo maior.  

Para eles, a alternativa nesses novos tempos tem sido a migração de investimentos, um setor em crescimento, onde os pedidos de passaporte não são baseados na nacionalidade ou cidadania, mas sim nos programas de cidadania por investimento, ou CIPs (do inglês citizen-by-investment programs).

Os CIPs oferecem residência ou cidadania em troca de investimentos substanciais na economia de um país, geralmente na forma de imóveis, criação de empregos, desenvolvimento de infraestrutura ou títulos do governo. Alguns exigem que os candidatos criem organizações sem fins lucrativos, empresas que gerem empregos locais ou vivam no país por um determinado tempo. Outros permitem que os candidatos invistam em títulos do governo, imóveis e projetos de desenvolvimento remotamente.

Para conquistá-lo, o processo de due diligence (a investigação prévia) leva de vários meses a vários anos. Normalmente, os candidatos passam por avaliações financeiras e criminais completas para garantir que o dinheiro foi ganho legalmente, antes da aprovação de sua residência ou cidadania.

Mesmo com dados não apurados de forma científica, a Henley & Partners (especialista em serviços de residência) em recente entrevista à CNN Travel, disse que suspeita que o recente aumento no interesse no CIP pode estar relacionado ao coronavírus, questões de saúde e “previsões do fim do mundo” em geral. 

Entretanto, esse modelo é direcionado a elite, uma vez que apenas famílias com patrimônio líquido muito alto podem participar desses programas de residência. A clientela CIP tem sido os norte-americanos, indianos, nigerianos e libaneses. Foram eles os que apresentaram os maiores picos de inscrições nos últimos nove meses. Só para que você possa ter uma ideia, os pedidos vindos dos norte-americanos saltaram 700% no primeiro trimestre de 2020, em comparação com o último trimestre de 2019.

E claro, além dessas questões, a cidadania na pandemia acaba sim sendo um bom investimento visto que neste momento, que muitas vezes podemos não ter muitas perspectivas, inclusive pelo fato de termos que manter o distanciamento social e ficar mais em casa. Isso acaba fazendo com que possamos nos dedicar mais a planos futuros, pesquisas quanto ao mercado de trabalho, universidades e todo o necessário para uma mudança. Em resumo, faz com as pessoas ganhem tempo para se preparar, enquanto aguardam o processo, e assim que tudo isso acabar, estejam prontas para começar uma nova vida. 

E você, o que acha sobre isso? Acredita que a cidadania na pandemia seja um bom investimento? Conta para a gente nos comentários!

Com informações de: politica.estadao.com.br; catracalivre.com.br; cnnbrasil.com.br; rotunnocidadania.com.br; epocanegocios.globo.com; ansabrasil.com.br.

LEIA TAMBÉM